EnglishPortugueseSpanish

Você vive no piloto automático?

5045405

Você já se questionou por que você trabalha com o que trabalha?

Você já se questionou por que você trabalha com o que trabalha?

Valoriza o que valoriza?

Pensa o que pensa?

Existem vários níveis de questionamento.

 
Você provavelmente já se fez essas perguntas, mas quão profundamente você pensou sobre a resposta? Provavelmente não muito.

 
A maioria das pessoas responde nesse formato mais automático a qualquer tipo de estímulo.

Aí quando você percebe, tá vivendo a vida que seus pais e amigos queriam pra você.

Não algo que foi intencionalmente pensado, investigado e criado por você.

Nosso ambiente é a nossa principal fonte de informação, é como interagimos com o mundo, aprendemos e criamos.

 
Se não moldarmos o ambiente, ele nos molda – tanto pro bem quanto pro mal.

Não é simples estar consciente disso e sair do automático sempre que ele não estiver te favorecendo.

 Então como fazer isso da melhor forma?

O primeiro passo é se mantendo vigilante aos seus pensamentos e emoções… eles são mais positivos ou negativos? de onde eles estão vindo?

 Se você se sente estressado o tempo todo… será que é porque você tá trabalhando muito ou porque você tá gastando mais tempo e energia se contando uma história sobre o tanto de trabalho que você tem que fazer?

Ou você pode estar tentando abraçar o mundo sem nem ter aprendido a verdadeira ciência da priorização…

Existem mil possibilidades…. mil caminhos que você pode seguir…. e mil histórias que pode se contar pra se justificar.

 Qual você escolhe?

➡ Ao estar vigilante você identifica o real problema e ataca ele antes de tudo.

➡ Ao investigar o que tá causando aquilo, você percebe que muitas vezes o problema real é mais profundo, e que ele tem causado consequências negativas em vários pilares da sua vida.

➡ Aí você percebe que a solução de um problema que parecia externo, é na verdade, a busca por um autoconhecimento mais profundo.

 E tudo começa no questionamento e na vigilância.

O desafio é fazer esses dois se tornarem hábitos.

Toda vez que você tiver uma dificuldade, você vai reclamar, se contar uma história, se sentir mal ou questionar qual o real problema? Questionar o que você pode aprender com ele?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest