EnglishPortugueseSpanish

PNL e Hipnose: curando lesões e reprogramando a memória.

020505050
Este artigo é resultado de uma experiência direta e dolorosa. Joseph desenvolveu o cotovelo de tenista jogando Squash no verão passado.

Este artigo é resultado de uma experiência direta e dolorosa. Joseph desenvolveu o cotovelo de tenista jogando squash no verão passado. Cotovelo de tenista é uma das lesões esportivas mais comuns. É causada pelo alongamento excessivo ou pela torção dos tendões onde eles se inserem na articulação do cotovelo. Isso levou a uma inflamação dolorosa do seu cotovelo direito, e significava não só que ele estava incapacitado de jogar squash, como não conseguiria, por algumas semanas, segurar nada com a mão direita nem levantar qualquer peso sem dor.

Lesões esportivas, como o cotovelo de tenista (que pode ser causado por muitos esportes, inclusive golfe, críquete e squash), lesões no tendão de Aquiles na parte de trás do pé, danos nos ligamentos e na cartilagem do joelho acontecem em todos os níveis do esporte. Elas são causadas pelo uso excessivo, pelo alongamento excessivo ou por um esforço incomum repentino naquela parte do corpo. As lesões são dolorosas e debilitantes e podem impedir o atleta de competir por algum tempo.

Atletas em todos os níveis, frequentemente acreditam que não podem, ou não querem, perder tempo para curar completamente a lesão e, muitas vezes, essas lesões são agravadas pelo tratamento sintomático. Quando a dor diminui, o atleta volta a praticar o esporte, mas se o trauma não estiver suficientemente curado, ele volta a ocorrer e, talvez, com mais gravidade. Se esse ciclo prosseguir, pode levar a um agravamento da dor, ao uso de drogas anti-inflamatórias e, talvez, como último recurso, à uma cirurgia.

No momento há um grande uso e interesse no treinamento mental nos esportes. Os atletas de elite geralmente têm o seu próprio Coach Mental, mas parece que não existe o mesmo interesse no uso da sua mente para ajudar a curar as lesões esportivas para que retornem 100% curados. Pelo contrário, o poder mental parece estar sendo inteiramente aproveitado para ranger os dentes e jogar sentindo dor.

As técnicas mentais envolvendo a projeção visual têm sido usadas na medicina desde tempos antigos, e são objeto de crescente interesse e pesquisa. Na realidade, há um campo da medicina totalmente novo chamado de psiconeuroimunologia que explora a influência da mente e do ambiente no sistema imunológico.

Vamos descrever um processo que qualquer um pode usar para ajudar o seu corpo a curar uma lesão esportiva ou qualquer trauma físico. Baseia-se no fato de que o corpo e a mente são um sistema, são inseparáveis e se afetam mutuamente.

A depressão pode causar doenças físicas, e as doenças físicas certamente mudam os seus pensamentos – ninguém se importaria em tomar uma decisão importante quando estivesse doente com gripe. Imagine morder vividamente um limão e você irá salivar. Quando você relembra a memória de um incidente embaraçoso, isso faz você estremecer de novo – o pensamento é mantido na
fisiologia do corpo. Imagine uma boa experiência e você irá experimentar de novo o prazer. Assim como as nossas mentes guardam imagens e sons como memórias, também o nosso corpo parece manter a memória dos músculos e dos tendões. Esse processo visa ajudar a cura do corpo mudando a memória do acontecimento.

Quando mudamos a representação mental da lesão, somos obrigados a afetar o corpo, assim como quando você se reconcilia com um incidente embaraçoso, ele não faz mais você estremecer quando pensa nele. Do mesmo modo, com a memória não mais mantida no corpo, a lesão pode se curar mais rápida e facilmente. Esse processo baseia-se na Programação Neurolinguística (PNL).

A PNL é o estudo de como construímos a nossa experiência subjetiva, como usamos os nossos sentidos e memórias para construir um mundo próprio e exclusivo da experiência.

Leia também O que é Pnl.

A PNL não pretende ter o jeito certo de pensar, mas pretende melhorar aqueles meios que você já usa. Esse processo é oferecido como uma outra escolha, e não é substituto do tratamento físico e médico das lesões esportivas. Da mesma forma, podemos utilizar de técnicas da Hipnose Clínica para tratamento das dores com a “analgesia”, reduzindo assim, a quantidade de aplicações anestésicas injetáveis. Ele complementa. Nós acreditamos que o tratamento físico é importante e pode ser necessário. Joseph fez várias sessões de fisioterapia no braço, além de usar esse processo junto com a PNL e outras técnicas de visualização. O braço dele está curado e ele já está jogando squash de novo, melhor do que antes. Isso não prova a eficácia do processo, é claro, mas ele não tem nenhuma dúvida de que ajudou.

Descreveremos esse processo como se você estivesse trabalhando com um cliente, mas você pode aplicá-lo a si mesmo com a mesma facilidade e, melhor, não precisa ficar restrito às lesões esportivas.

1. Peça ao cliente para se ver de novo na situação em que se machucou. É muito importante que ele esteja dissociado, isto é, esteja se vendo, e não de volta à memória, vendo pelos seus próprios olhos. Uma memória associada é aquela em que ele está de volta à memória, vendo o que viu e ouvindo o que ouviu. Uma memória associada traz de volta os sentimentos e você não quer fazer isso. Uma memória dissociada deixa os sentimentos na imagem à distância de um braço. Certifique-se de que ele permaneça dissociado durante esse primeiro passo. Uma boa maneira de se fazer isso é pedir que ele imagine alguém gravando o incidente em vídeo e assistir o vídeo agora em total conforto, como se fosse outra pessoa na tela.

2. Peça que ele assista o vídeo de todo o incidente desde um pouco antes que ele se lesionou até logo depois. Quando ele tiver feito isso, quebre o padrão fazendo ele sair da memória. Você pode questioná-lo como por exemplo: o que você tomou no café da manhã? Ao fazer isso, você garante que ele muda o estado.

3. Peça que ele volte e execute a memória novamente dissociada e congele o último quadro do vídeo como uma imagem estática.

4. Agora peça que ele entre naquela última imagem para que ele esteja de volta à memória, vendo o que viu, sentindo o que sentiu, ouvindo o que ouviu naquele momento. Ele está agora associado. Peça que ele execute o vídeo para trás até o ponto em que a lesão ocorreu. Detenha-o quando atingir o ponto antes da lesão ocorrer. Traga-o totalmente para fora da memória, para que ele mude o estado.

5. Repita esse procedimento associado novamente três ou quatro vezes, mais e mais rápido a cada vez, e quebre o padrão entre cada repetição, para que, toda vez, ele recomece no final. Ele não deve pular através da memória para chegar ao final. Se isso acontecer, o efeito de rebobinar se perde. O cliente pode ajudar se ele adicionar algum som enquanto estiver fazendo isso, então, ele expira fortemente durante cada rebobinada. Isso deve tomar só um breve momento após a terceira ou quarta repetição. Se a pessoa tiver dificuldade, explique que ele não precisa ver nenhum detalhe, mas que tenha apenas a sensação de percorrer o incidente de trás para frente muito rapidamente.

Meia dúzia de repetições irão reformatar a memória do incidente e assegurar que ela não esteja mantida no seu corpo como antes. Isso também leva a memória de volta para o ponto antes do incidente ocorrer. Contudo, você não pode simplesmente mexer numa memória sem substituí-la por outra memória clara e positiva. Então, pergunte ao cliente o que ele estava tentando conseguir quando ocorreu aquele incidente. Evidente que ele não estava tentando se machucar! Ele provavelmente descreverá a tacada ou a jogada que estava tentando fazer. Seja o que for, peça que ele se imagine fazendo a jogada perfeita num vídeo. Faça com que ele assista a si mesmo em uma tela mental, fazendo a jogada exatamente da maneira que ele queria – sem lesão. Quando ele estiver completamente satisfeito, peça que ele entre na memória e reproduza a jogada como uma memória associada exatamente da maneira que ele gostaria de ter feito. Peça que ele repita isso várias vezes.

Agora, você não apenas removeu o poder da memória original, como também instalou uma nova memória, uma memória muito mais saudável. É claro que a lesão não desaparecerá tão facilmente, mas você removeu um elemento importante da experiência. Por fim, pergunte o que ele aprendeu com a lesão. Deve haver algum aprendizado positivo para garantir que ele não vá fazer a mesma coisa de novo. A partir desse ponto, você pode usar outras técnicas de
visualização para acelerar a cura. Este processo leva apenas alguns minutos, é fácil e intuitivo e acreditamos que ele faz a diferença.

Essa abordagem pode ser aplicada também para tratamento de fobias, traumas e outros tratamentos. Se você ficou interessado nessa abordagem, agende sua sessão para que possamos lhe ajudar.

ACESSE PARA AGENDAR A SESSÃO.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest