Inteligência emocional e Emoções

O equilíbrio das emoções é muito importante para a vida pessoal e profissional de cada ser humano. No trabalho, assim como nas relações que mantemos em nossa vida privada e social, saber reconhecer e lidar com as emoções e seus inconsequentes ou consequentes comportamentos é um processo contínuo e diferencial.

Nesse sentido, ao falarmos em Inteligência Emocional, a evidenciamos como um ponto forte a ser trabalhado, e para muitos especialistas ela é mais importante do que o Quociente de Inteligência, o chamado (QI).

O que é Inteligência Emocional

A Inteligência Emocional (AI) é uma característica mensurável que diferencia o nível de performance de uma pessoa, de um trabalho ou papel, tanto na empresa, quanto na família e sociedade.

Inteligência emocional é um conceito em Psicologia que descreve a capacidade de reconhecer os próprios sentimentos e os dos outros, assim como a capacidade de lidar com eles. É uma capacidade natural que nós temos para gerir nossas emoções com o objetivo de nos adaptarmos às circunstâncias de nosso ambiente; capacidade esta que podemos melhorar mediante introspecção e a prática. Segundo STERNBERG, R.J; Practical Intelligence. Nova York. Cambridge University, 2000.

A inteligência emocional está relacionada a habilidades tais como: motivar a si mesmo e persistir mediante frustações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberar seus melhores talentos e conseguir seu engajamento a projetos de interesse comum a mais gente.

Até pouco tempo atrás o sucesso de uma pessoa era avaliado pelo raciocínio lógico e pelas habilidades matemáticas e espaciais (QI). O psicólogo da Universidade de Harvard e PhD Daniel Goleman resolveu discutir melhor o assunto em seu livro “Inteligência Emocional”.

Ele traz o conceito da inteligência emocional como maior responsável pelo sucesso ou insucesso das pessoas: QI e QE. Os defensores da inteligência emocional destacam que não podemos falar de verdadeira inteligência se nos esquecermos da correta gestão das emoções, avaliadas pelo quociente emocional (QE).

O modelo da inteligência emocional afirma que o QI não deve ser o único fator para indicar a capacidade do indivíduo, visto que existe toda uma séria de habilidades, tanto ou mais importantes, baseadas nos sentimentos e nas emoções: o autocontrole, o entusiasmo, a automotivação, a empatia, etc.

Essas capacidades emocionais não são registradas pelos testes que medem o QI, mas são acessíveis com a bateria de testes que medem o QE. Para Goleman, a competência emocional que é medida indiretamente pelo QE, determina o grau de destreza que somos capazes de alcançar no domínio de nossas faculdades afetivas. As pessoas que atingiram uma maturidade psicológica neste aspecto são aquelas que sabem dominar seus sentimentos e relacionar-se efetivamente com os seus sentimentos e dos outros. O mesmo autor define inteligência emocional como “…capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os sentimentos dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos.”

5 áreas da inteligência emocional

Segundo Goleman, este tipo de inteligência é a capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos, e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos.

Nesse sentido, a Inteligência Emocional abrange cinco áreas específicas:

Autoconhecimento Emocional

a capacidade de reconhecer um sentimento quando ele ocorre.

Habilidade de lidar com seus próprios sentimentos

adequando-os a cada situação.

Automotivação

que consiste em motivar-se e dirigir as emoções a serviço de um objetivo, mantendo-se focado neste.

Reconhecimento das emoções de outras pessoas

Habilidades nos relacionamentos interpessoais.

O que são as emoções?

Do ponto de vista científico, uma emoção é uma alteração corporal caracterizada por variáveis fisiológicas que podem ser observadas e medidas: ritmo cardíaco, ritmo respiratório, tensão arterial, temperatura corporal, produção salivar, etc.

A etimologia da palavra significa, literalmente, “movimento para fora”. A palavra emoção faz referência a um impulso para ação.

As emoções são provavelmente os impulsos mais importantes por trás do comportamento dos humanos.

As emoções são reações automáticas a estímulos internos ou externos com a finalidade de regular a vida e promover a sobrevida de forma direta ou indireta.

Sensações estão relacionadas à percepção física provocada pela Emoção.

Sentimento é uma percepção de um certo estado do corpo, acompanhado pela percepção dos pensamentos com certos temas e pela percepção de um certo modo de pensar.

A maioria dos estudiosos consideram estas como Emoções Naturais: Raiva, Medo, Tristeza, Alegria, Amor, Surpresa e Nojo.