EnglishPortugueseSpanish

Ciúme: Principais sintomas da famosa Síndrome de Otelo

O ciúme é uma das principais causas de desgaste em uma relação amorosa, atrapalhando a rotina e impedindo um convívio harmonioso entre o casal. A desconfiança gera discussões e privações e, com o tempo, a convivência pode ficar insustentável.
ciumes

A Síndrome de Otelo é um problema que faz com que o indivíduo sofra delírios constantes de que estão sendo traídos e enganados. O ciúme é uma das principais causas de desgaste em uma relação amorosa, atrapalhando a rotina e impedindo um convívio harmonioso entre o casal. A desconfiança gera discussões e privações e, com o tempo, a convivência pode ficar insustentável.

É comum que uma relação amorosa seja marcada por ciúmes relacionados a situações específicas. Trata-se do chamado ciúme pontual que, até certo ponto, é considerado normal e até saudável para o relacionamento. Nessas situações específicas, uma conversa é capaz de solucionar o problema sem gerar maiores desequilíbrios. Por outro lado, o ciúme patológico, é caracterizado pela obsessão e um sentimento constante de desconfiança.

Este tipo de ciúme doentio é chamado de Síndrome de Otelo, um nome inspirado no conto de Shakespeare que se passa na Itália do século XV e narra a história de um general que se convence da infidelidade da esposa. Otelo, o personagem principal da trama, sofre de um ciúme tão intenso que o leva a matar sua esposa Desdêmona.

Pessoas que desenvolvem a Síndrome de Otelo sofrem com um delírio constante de que estão sendo traídas e enganadas. Elas ficam tão obcecadas com a ideia da infidelidade que fazem de tudo para encontrar provas que provem que sua desconfiança é real. É comum que o indivíduo deixe de realizar suas tarefas e atividades rotineiras para se concentrar em investigar o parceiro.

A base do pensamento e as crenças sobre a suposta infidelidade é totalmente irracional e sem fundamento ou motivo algum.

Ciúme patológico ou Síndrome de Otelo

O ciúme no âmbito do casal é uma reação emocional que se desenvolve quando uma pessoa sofre de avidez de possessão sobre o companheiro(a) e sente medo perante uma ameaça de perda ou experiencia uma perda real. O ciúme no relacionamento pode ser classificado da maneira seguinte:

Ciúme ocasional: se experiencia de forma momentânea, sobretudo perante mudanças, mas a pessoa é capaz de identificar estes medos e racionalizá-los.
Ciúme reativo: ocorre perante a infidelidade real da outra pessoa ou quando a mesma age de forma que provoca insegurança e desconfiança no companheiro(a).
Ciúme patológico de origem não psicótico: ciúme doentio e sem fundamento, a pessoa que o sente apresenta atitudes de suspeita e inquietude. São baseados no controle e na possessão.
Ciúme patológico de origem psicótico: se refere ao ciúme delirante, a forma mais grave de ciúme, A pessoa que sofre do mesmo constrói um sistema de crenças e condutas em torno da ideia da infidelidade, sem provas ou fundamentos de nenhum tipo. Existe distorção da realidade, paranoia e condutas comprovatórias que se tornam rituais compulsivos. Este é o tipo de ciúme presente na Síndrome de Otelo e a celotipia.

Principais sintomas da Síndrome de Otelo

  • Insônia;
  • Falta de apetite;
  • Sentimento de desconfiança constante;
  • Dificuldade para se concentrar em atividades normais da rotina;
  • Paranoia;
  • Costume de telefonar ou mandar mensagens várias vezes ao dia para monitorar o parceiro;
  • Atitudes agressivas e violentas;
  • Sofre ansiedade;
  • Hábito de ameaçar o parceiro ou apelar para chantagem emocional.

As pessoas que sofrem de síndrome de Otelo acreditam ser vítimas de uma conspiração e podem chegar a pensar que o resto das pessoas sabe que a sua parceira ou parceiro está traindo, que lhe estão mentindo e ocultando a infidelidade. As pessoas com síndrome de Otelo não são capazes de controlar a sua sintomatologia nem tentam, já que não são conscientes da falsidade da sua crença, que vivem como uma verdade absoluta.

Ciúmes não é sinal de amor
É comum que as pessoas acreditem que sentir ciúmes do parceiro é uma forma de demonstrar amor. Porém, um indivíduo que apresenta esse padrão de comportamento não consegue controlar seus sentimentos obsessivos e sua insegurança, gerando um padrão que pode provocar reações inesperadas e desproporcionais.

Quando o ciúme chega ao ponto de dominar o indivíduo e alterar de forma drástica a sua vida, ele é considerado um distúrbio e é recomendado um tratamento psicológico para que problema não atinja proporções ainda maiores.

VEJA TAMBÉM: SEXO: SAIBA COMO A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL PODE POTENCIALIZAR SEU RELACIONAMENTO

Como a Inteligência Emocional pode ajudar?
O primeiro passo é entender que o ciúme patológico está relacionado a questões mais profundas e pode ser consequência de uma série de questões emocionais e psicológicas que precisam de atenção para serem tratadas. Problemas como traumas durante a infância, baixa autoestima, insegurança e complexo de inferioridade podem desencadear a síndrome.

Tratamento Emocional para síndrome de Otelo

Coaching e Terapia de Casal
Uma das consequências da Síndrome de Otelo é o desgaste e os conflitos no relacionamento. Por isso, se recomendo Coaching de Relacionamento ou a terapia de casal, onde se trabalham objetivos como o fortalecimento do vínculo, aumento da confiança e da estabilidade na relação. Para isso, o casal é treinado na técnica de gestão de conflitos e na técnica de alinhamento da comunicação. Através da primeira, o casal melhora as suas habilidades na hora de considerar problemas ou dificuldades que surjam em casal, de planificar diferentes soluções e de chegar a um acordo sobre uma delas. Por último, com o treino em comunicação, se fomenta a empatia, a escuta ativa, a expressão de sentimentos e necessidades, assim como a compreensão do outro ponto de vista. O objetivo disso é reduzir mal-entendidos e a defensividade no casal.

Finalmente, é necessário trabalhar a autoestima e os mitos do amor romântico da pessoa com síndrome de Otelo. A base do ciúme se encontra nas inseguranças e nos esquemas mentais sobre como devem ser as relações do casal. É por isso que é importante fomentar o autoconceito e a autoestima da pessoa com celotipia, já que normalmente costuma ser baixa. Por outro lado, é necessário realizar um trabalho sobre a conceptualização das relações em casal na qual é feita uma desconstrução das condutas que a sociedade impôs como próprias de uma relação do tipo romântico. Da mesma forma, são apresentados modelos de relação mais saudáveis baseados na confiança e na comunicação.

Geralmente, a causa do transtorno está na inabilidade em lidar com as próprias emoções e também na falta de autoconhecimento. Desenvolver a Inteligência Emocional é fundamental para lidar melhor com o problema e evitar jogos emocionais corrosivos.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia ou Coaching-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você agende uma consulta com um de nossos especialistas para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

AGENDAMENTO

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest